Risco de liquidez no Chile: o que se espera durante 2021?
27/05/2021
Por Axesor

O risco de liquidez refere-se à probabilidade de perda do cumprimento das obrigações financeiras, afetando não só a continuidade das operações, mas também aquelas empresas que não conseguem recuperar seus recursos por insolvência de seus clientes. Levando em consideração que, desde outubro de 2019, a economia chilena sofreu três grandes choques (crise social, pandemia em nível local e impacto da crise global de saúde), vale a pena conhecer as variáveis que mais afetarão gestão de liquidez durante 2021.

Avaliação de crédito favorável e outros fatores que reduzem diferentes tipos de risco de liquidez

A Agência Europeia de Rating de Axesor confirmou para o Chile o rating de crédito A- com tendência estável, o que permite elucidar um risco de liquidez semelhante ao de anos anteriores, embora com alguns escrúpulos potencializados pela pandemia.

O relatório aponta que, apesar da contração de 5,8% com que a economia chilena fechou em 2020, concedeu esta classificação de crédito graças à evolução observada na economia do país nos últimos anos, que tem como grande marco ter mantido um crescimento estável do PIB taxa de 1,7% ano-a-ano no período analisado, mesmo depois de sofrer os protestos sociais de 2019 e a crise de saúde de 2020.

Além disso, o Rating Axesor baseia-se na boa recuperação econômica projetada, com um crescimento homólogo de 6,2% e 3,8% para 2021 e 2022, respetivamente, colocando o país nas primeiras posições do ranking regional.

É claro que essas projeções dependem da recuperação da China e dos Estados Unidos, seus mais importantes parceiros comerciais, e da evolução do calendário de vacinação. Neste sentido, é positivo que o Governo espere ter 80% da população imunizada até meados do ano, o que significaria um dinamismo da economia ao retomar as atividades presenciais com maior tranquilidade.

A classificação favorável também inclui outros fatores que afetam diretamente o comportamento dos diferentes tipos de risco de liquidez, como a boa situação das finanças públicas, o baixo endividamento e o sucesso das políticas orçamentais.

Por outro lado, as estratégias de liquidez enfrentarão menos riscos derivados de uma possível boa estabilidade de preços, promovida pelo Banco Central. Segundo a entidade, a sua autonomia, aliada a um objetivo explícito de estabilidade de preços e disciplina orçamental, têm sido marcos fundamentais para a manutenção de uma dinâmica de inflação baixa e estável nas últimas duas décadas. Trabalham-se nas políticas e estratégias monetárias destinadas a manter a tendência, com o crescimento da inflação abaixo de 3% nos próximos anos.

Por fim, deve-se destacar que o país conta com um sólido arcabouço institucional e um sistema financeiro que se mostra saudável no contexto de recuperação econômica e vacinação massiva que vive o país.

Fatores não favoráveis para estratégias de liquidez

Ressalta-se que o rating de crédito de Axesor foi prejudicado pela deterioração dos indicadores macroeconômicos que já apresentavam piora antes da crise de saúde, tais como:

  • Elevadas taxas de desemprego (10,4% no primeiro trimestre de 2021).
  • Dependência significativa do cobre em suas exportações.
  • Altos níveis de endividamento do setor privado.
  • Manutenção da desigualdade e tensões sociais.

Se essas deficiências forem corrigidas, é de se esperar que a economia do país volte gradualmente ao normal, reduzindo significativamente a probabilidade de as empresas perderem sua capacidade de pagamento. Por isso, uma boa gestão da liquidez é de vital importância tanto no setor público como no privado, para que a rede empresarial mantenha sua atuação e injete dinamismo no mercado local.